fbpx

Imóvel na planta: conheça essa econômica opção para comprar seu apartamento

13 de janeiro de 2021

Existem diversas formas para negociar a compra da moradia própria. Uma das mais acessíveis no mercado é a aquisição do imóvel na planta. Neste texto, explicaremos mais sobre como essa proposta funciona – e apresentaremos algumas das suas vantagens, as quais mostram que sair do aluguel é uma escolha certa e perfeitamente possível.

O que é o imóvel na planta?

Mesmo que você talvez esteja apenas agora buscando pela moradia própria para sair do aluguel, certamente você já ouviu falar na opção de “imóvel na planta”. Esse é o termo utilizado para referir àqueles imóveis comprados juntos a construtora que ainda não foram construídos – e que, portanto, ainda estão “na planta”, no projeto. Daí você se pergunta: isso é legal? A empresa tem o direito de vender dessa forma? É uma forma segura para que eu realize meu sonho de morar em um bom apartamento? O imóvel na planta é realmente uma opção econômica? Ou é furada?

A resposta é: sim, desde que os trâmites estejam nos conformes! A Lei 4.591 da incorporação imobiliária detalha as normas que devem ser seguidas para que a empresa possa vender unidades de um empreendimento antes de elas estarem prontas. E a você, consumidor, estão assegurados os direitos que cumprem a promessa de compra e venda. A construtora se responsabiliza por entregar a obra pronta no prazo estabelecido em contrato e, caso não cumpra o que prometeu, estará sujeita a penalidades jurídicas.

Essa modalidade é uma troca vantajosa entre o comprador e a empresa responsável pela obra, pois através do valor pago de entrada, a construção é viabilizada. Em troca, o proprietário terá diversos benefícios na compra: como um financiamento de preço mais baixo. Por isso, o imóvel na planta é sim uma opção mais econômica.

Como funciona a compra de um imóvel na planta?

Você pode adquirir o imóvel na planta à vista, por financiamento ou até mesmo através de consórcio. Independentemente da opção, ela parte de um valor de entrada, que a construtora utilizará na obra. 

O financiamento acaba sendo a forma mais comum, pois oferece vantagens diferenciadas. São duas etapas: antes da entrega das chaves e depois da finalização do empreendimento. Durante o período de execução da obra, o qual deve estar previsto em contrato, você pagará o valor de entrada e as primeiras parcelas. Entretanto, você não precisará pagar valores como IPTU e taxa de condomínio.

O valor de entrada varia entre 20 e 30% do valor total do imóvel. Entretanto, você pode diluir parte desse valor entre as primeiras parcelas, que serão pagas durante a construção. Nesse período, não serão cobrados juros em cima do pagamento parcelado, apenas a correção monetária baseada no Índice Nacional de Construção Civil (INCC).

Finalizada a obra e recebidas as chaves, você terá a opção de pagar o restante à vista ou financiar. A grande vantagem, aí, é que o financiamento fica muito mais leve do na compra de um imóvel já pronto. Ele, aliás, pode ser feito através do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) e inclusive pelo Programa Habitacional da Caixa – o antigo Minha Casa, Minha Vida e novo Casa Verde e Amarela.

Quais os trâmites que envolvem o financiamento?

Primeiramente, para formalizar a negociação com o banco com o qual você fará o financiamento imobiliário, você deve apresentar seus documentos e os relacionados ao empreendimento, entre eles, o alvará do município para a construção do projeto. Nessa parte, é de primordial importância que você tenha a certeza de que a empresa de quem você está comprando fez a sua parte quanto a regularização da obra. 

Apresente à instituição financeira:

  • RG, CPF;
  • Certidão de estado civil ou de nascimento;
  • Comprovante de renda dos últimos três meses;
  • Última declaração do Imposto de Renda completa;
  • Extrato bancário
  • Documentos do imóvel: o contrato assinado com a construtora e o Memorial Descritivo.

Dica: procure saber sobre o histórico da empresa responsável pela obra, para ter a certeza de que você estará fazendo um bom e seguro negócio.

Quais as vantagens de comprar um imóvel na planta?

São vários os benefícios que você terá ao adquirir um imóvel na planta. O principal deles talvez seja justamente a questão do preço. Como uma forma de retribuir a confiança de seu investimento inicial, a construtora reduz, assim, as taxas de juros do financiamento na negociação, o que pode resultar em um custo de até 40% menos do que seria o total de um imóvel já pronto. Portanto, se você prioriza a sua economia, a opção é ideal, pois o imóvel na planta é provavelmente a mais econômica do mercado.

Entre outras vantagens, citamos:

  • Negociação flexibilizada, justamente pelas opções variadas que envolvem o financiamento do imóvel;
  • Menos burocracia com os documentos, pois não haverá a necessidade de transferência da escritura, por exemplo;
  • Possibilidade de customização: isso mesmo! Durante a construção, você pode negociar com a construtora alterações para personalizar a sua unidade do condomínio;
  • Compra de um imóvel novo, com instalações (elétricas, hidráulicas) recém feitas, por exemplo. Você não terá gastos com reformas e manutenção tão cedo.
  • Valorização do imóvel, pois afinal, você estará adquirindo ele por um preço muito menor. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), o preço de um imóvel comprado na planta pode valorizar entre 20% e 50% até ficar pronto – fora a futura valorização do mercado imobiliário. Assim, você estará investindo em um patrimônio que lhe dará retorno direto nos próximos anos.

Que tal escolher uma opção econômica de um imóvel na planta?

E aí, o que achou dessa ideia? Melhor ainda é quando o imóvel na planta se baseia na qualidade e no compromisso em entregar estrutura e segurança com condições especiais para você. Essa é a proposta da Viva Corp. Que tal dar uma espiadinha nela?